Tem problemas com os pés?

Para cada problema, uma solução:

Assinale a zona onde tem problemas e oferecemos-lhe os produtos que melhor se adequem ao seu problema.

A importância de uns pés sãos

A zona dos nossos pés é uma das partes mais importantes do nosso corpo e merecem, por isso, muito cuidado e dedicação.

Cerca de 25% dos 212 ossos do nosso corpo estão nos pés. Se alguns desses ossos (ou os ligamentos, músculos e tendões que rodeiam os ossos) perderem o alinhamento ou receberem muito stress, os efeitos podem sentir-se em qualquer parte do corpo.

É necessário que adotemos métodos simples e práticos que deem à nossa vida uma nova perspetiva.

É importante recordar que não apenas dias de trabalho longos afetam os nossos pés, mas também o roçar provocado pelos sapatos, a humidade devida a termos o pé coberto e a falta de transpiração correta da pele e as unhas.

Estas situações poderiam causar ligeiras lesões, fungos ou transtornos, tendinites, joanetes, artrite e podem ir limitando cada vez mais a mobilidade.

Muitas pessoas são afetadas por joanetes, calos ou calosidades. Embora no início não seja um problema grave, incomoda e pode derivar noutros problemas mais sérios. Com o passar dos anos, pode-se sofrer de um desgaste da almofada plantar, ter dores no antepé e aparecem calosidades. Estas anomalias dos pés são muito dolorosas e podem mesmo provocar quedas; as pessoas diabéticas podem sofrer de úlceras devido ao pé diabético.

¿Que podemos fazer?

Avalie os seus pés:

  • Antes de mais, deve consultar um podólogo e avaliar o seu pé.A medicina é cada vez mais proativa, sendo hoje em dia possível evitar problemas mais graves mediante o uso de aparelhos ortopédicos, suportes para o arco ou, inclusivamente, outro tipo de meias ou peúgas.
  • Existem dois problemas que sucedem nos pés em qualquer idade: a artrite e a diabetes. A artrite pode provocar joanetes e rigidez.
  • Do mesmo modo que nos ocupamos de outras partes do nosso corpo, como o cabelo e o rosto, os pés devem ser examinados e cuidados diariamente. Assim sendo, os pés serão examinados tendo em conta o seguinte:
    • Se existir uma mudança de cor ou espessura nas unhas, pode indicar fungos.
    • A cor e a temperatura do pé são importantes para comprovar que não está inchado nem tem calosidades. Podem haver zonas na planta do pé com inflamação ou que doem quando se tocam. Isso pode dever-se à existência de calos, papilomas (ou verrugas) ou fascite plantar.
    • Entre os dedos pode haver gretas ou cortes, sintoma da existência de fungos.
    • É necessário hidratar a pele dos pés com regularidade. Uma massagem suave todas as noites ativará a circulação sanguínea e produzirá um agradável efeito de relaxamento.
    • O tipo de calçado é também sempre muito importante. Para fazer exercício deve-se usar o calçado recomendado para cada desporto; no trabalho, quer se trabalhe de pé ou sentado, é igualmente necessário um tipo de calçado específico. Assim, todas as pessoas que trabalham deveriam consultar o podólogo para se aconselharem do tipo de calçado mais adequado. Recomenda-se, no geral, que o calçado respeite a largura do pé, que seja flexível, com sola acolchoada e que o tacão não tenha mais que três centímetros.
  • Quem exercer funções pesadas deve utilizar um calçado de biqueira de aço, impermeável e com solas antideslizantes.

Evite o mau cheiro dos pés:

  • Transpiram podem incomodar e muito. Se acha que os seus pés suam demasiado, é provável que tenha hiperidrose plantar (as glândulas sudoríferas do pé estão hiperativas).
  • Pode evitar isso usando antitranspirantes e uma forma correta de se calçar. Existem modas novas que são prejudiciais para a saúde dos pés, como calçar sapatos fechados sem meias. A função das meias é evitar que os pés suem e absorvam o suor, se não contarmos com elas teremos de pensar que os pés podem libertar cerca de 28 cl de transpiração, o equivalente a verter quase uma lata de refresco dentro dos sapatos. Desse modo, é muito fácil imaginar o efeito que o suor e o calor provocam nos nossos pés, não apenas o cheiro, mas também as infeções. Não é de todo recomendável estar várias horas sem meias com sapatos fechados.
  • Antes de calçar uns sapatos fechados, com ou sem meias, mas com um pé que transpira demasiado, deve-se utilizar um produto que seja antitranspirante para a planta dos pés. Também se podem utilizar palmilhas extraíveis, de preferência com efeito desodorante, e assim é possível tirá-las e secá-las mais rapidamente. De qualquer modo, se o calçado estiver molhado, seja devido ao suor ou outras causas, não deve calçá-lo mais do que um dia ou dois porque é necessário que seque por completo.
  • É importante saber que uma transpiração excessiva ou uma exposição à humidade pode provocar fungos e que estes podem originar doenças mais complicadas, que são:
    • Celulite infecciosa. Trata-se de uma infeção bacteriana nas camadas mais profundas da pele. Pode chegar mesmo a transformar-se numa infeção mortal porque as bactérias atacam o tecido da pele decompondo-o e, desse modo, pode-se chegar a sofrer de septicemia ou infeções nos ossos.
    • Os sintomas da celulite infecciosa são: dores, febre, arrepios, inchaço dos gânglios linfáticos e da pele, linhas avermelhadas na zona afetada e fadiga.
    • Alergia. Algumas pessoas podem sofrer alergias a algumas proteínas que produzem os dermatófitos e que passam para o sangue, provocando bolhas nos dedos das mãos e dos pés e, em alguns casos, nos braços e no peito.
    • Infeção bacteriana. As gretas da pele permitem a entrada de bactérias nos tecidos moles, produzindo infeções mais graves.
    • Infeção fúngica ungueal. Quando a infeção por fungos chega às unhas dos pés, as unhas mudam de cor e tornam-se grossas e escamosas. Se isso ocorrer, pode provocar muitas dores.